CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 5.1 - Os níveis intermediários (parte 2)

Dungeon ni Deai o Motomeru no wa Machigatte Iru Darou ka (DanMachi)

Capítulo 5.1 - Os níveis intermediários (parte 2)

Tradução: Rodrigon | Revisão: AcreMan | QC: Sir

"Hermes está de volta?"

Hestia entregou a um cliente um Bolinho de Batata Frita enquanto ela se virava para encarar Takemikazuchi.

"Ainda não é cedo? Ele estava no último Denatus."

"É isso que eu gostaria de descobrir. Ele não voltaria tão cedo sem motivo."

"Muito obrigado!" disse Hestia ao cliente e fez uma breve reverência. Takemikazuchi estava ao lado dela, apoiando os cotovelos no balcão e franzindo as sobrancelhas.

Eles estavam em uma barraca de comida na Rua Principal Norte. O amigo de Hestia tinha aparecido sem aviso prévio durante o horário comercial e disse: "Precisamos conversar". Hestia não pôde dizer não, então ouviu o que ele tinha a dizer enquanto trabalhava atrás do balcão.

"Meu, meu... você não está fazendo bons negócios por aqui?"

"Heh-heh, é claro. Estou aqui, não estou?"

"Maldições! Eu não tinha ideia de que um mascote tivesse tanto impacto..."

Havia um fluxo constante de clientes na barraca de comida, o suficiente para formar filas na caixa registradora. Takemikazuchi, que não estava acostumado a muita atividade, olhou em volta com um olhar de derrota no rosto. Hestia colocou as mãos atrás das costas e estufou o peito.

Como os dois estavam vestindo aventais, ambos se misturaram muito bem, apesar de serem divindades.

"Então, o que Hermes fez? Você disse que ele foi a sua casa, Take?"

"Ele foi... Você o viu desde o seu retorno, Hestia?"

"Não, eu não vi. Eu não sabia que ele estava de volta até você me dizer."

O corpo de Hestia praticamente se moveu sozinho enquanto ela ensacava Bolinhos de Batata Frita que uma pessoa animal do sexo feminino acabara de preparar, e entregou para uma série de clientes. Cada um deles sorriu enquanto pegavam seus Bolinhos, dando um tapinha na cabeça de Hestia antes de deixar a barraca.

"Ele disse que estava interessado naquele seu garoto, Bell Cranel... ou algo parecido. Não posso deixar de sentir que ele está planejando algo."

"Hum... você não está pensando demais nisso? Eu não acho que Hermes é o tipo de deus que começaria alguma coisa."

O deus Hermes não era de começar uma luta.

Não sei se ele era muito bom em manobrar através de várias situações ou apenas muito perspicaz, mas Hermes era um deus bem conectado que costumava brincar de pacificador enquanto outros deuses e deusas estavam lutando entre si.

O Hermes que Hestia conhecia era mente aberta e assíduo.

"Ele não é o único a tentar se aproximar de Bell recentemente... Apenas na semana passada, houve tantos que estão ficando irritantes."

"Você carrega bem o fardo dele, Hestia. Quanto a Hermes, eu não suporto ele. Não há uma palavra na boca dele em que eu realmente acredite."

"Ha-ha-ha. Hermes lhe dá muita dificuldade, não é, Take."

Os domínios de Hestia e Hermes em Tenkai estavam bem próximos um do outro. Eles eram vizinhos, em certo sentido. Eles estavam em bons termos há tempo o suficiente para que eles soubessem muito um do outro.

Hestia sorriu para uma garota meio elfa que era ainda mais baixa do que ela, antes de enviá-la de volta para sua mãe.

"Não é que eu não entenda o que você está dizendo, Hestia... eu apenas tive a sensação de que desta vez é diferente."

"... alguma razão para isso?"

"Chame isso de intuição divina."

Hestia pensou por um momento enquanto olhava para os olhos violeta de Takemikazuchi, e coçou o queixo.

Se ele estava dependendo de sua intuição, ele não tinha provas.

" — Takemikazuchi, você tem certeza de que deveria estar perdendo tempo em um lugar como esse…"

"Ah, minhas desculpas, gerente. Havia algo que eu tinha que fazer... Não, tenho certeza de que nossas vendas aumentarão em breve, sim. Vou trabalhar muito."

"Você pode dizer o que quiser, mas poderia aprender uma coisa ou duas de Hestia..."

"Eu vou, sinto muito pelo inconveniente. Vou dobrar meus esforços — você vai ver o que eu realmente posso fazer amanhã!"

Hestia estava perdida em seus próprios pensamentos quando a gerente da barraca de comida apareceu e Takemikazuchi se curvava e se desculpava repetidamente. Ela vislumbrou isso e se perguntou em que esse mundo estava se tornando, um deus tendo que se curvar para uma das crianças. Ela ignorou completamente o fato de ela mesma ter vários empregos de meio período e ter feito a mesma coisa em inúmeras ocasiões.

"Vou me despedir, Hestia. Pode não fazer sentido dizer para você ter cuidado, mas ainda assim, fique de olho em Hermes."

"Claro, obrigado, Take."

Takemikazuchi passou pela gerente e virou-se para acenar uma última vez antes de retornar a sua própria loja. Grata pela preocupação de seu amigo, Hestia sorriu e o viu sair.

"Hermes, hein..."

Ela enfiou a cabeça para fora da barraca de comida e olhou para o céu azul.

Ela pensou em seu vizinho, especialmente naquele sorriso encantador dele.

E aconteceu de ela lembrar de uma outra divindade.

"... não tem como, né?"

Sua voz suave foi levada por uma rajada de vento extravagante.


https://lh3.googleusercontent.com/lBFgDoVj4KZTy9GuWh78dPjOPqn-gxW8p0Cc7K5wW99M38cR3SV5KpFGoh7c31lI-6UXGLaLyzEs1OVVU1MwM_7YbWB2b2RpVCXryPEkBla5yCrZw4WGzp_ZVR7JRwsLuT_hvPdu


O sol brilhava através de um céu azul cheio de nuvens brancas e grandes.

A Rua Principal Oeste estava cheia de pessoas e de inúmeras carroças puxadas a cavalo, ambas banhadas pela suave luz do sol do início da tarde. Uma certa divindade e um de seus seguidores percorreu seu caminho em meio a tudo isso.

"Então, Asfi, o que você descobriu?"

"De acordo com as informações públicas disponíveis na Guilda, ele completou o nível onze e passou os últimos dez dias no nível doze."

A divindade tendo essa conversa cercada pela agitação dos cidadãos de Orario era Hermes. Asfi, a mulher humana com quem ele estava falando, seguia logo atrás enquanto avançava pela multidão.

A mulher usava uma capa branca e sandálias bastante incomuns em seus pés finos, cada um com um par de asas douradas curvando-se pelos lados.

"Além disso, alguém na Torre de Babel tinha algo interessante a dizer… Ele aparentemente comprou lã de salamandra o suficiente para equipar um pequeno grupo de batalha mais cedo esta manhã."

"Oh, não me diga que ele passou para os níveis intermediários?"

"Provavelmente", respondeu Asfi. Os lábios de Hermes se curvaram em um sorriso.

"E apenas dez dias depois de subir de nível. Exatamente como um recordista deve ser. Muito rápido mesmo."

"Além disso, descobri que ele possui uma Magia extremamente poderosa. Ele usou o que deve ter sido um feitiço muito longo para lançar a magia, que foi poderosa o suficiente para matar um Dragão Bebê no nível onze. Havia muitas testemunhas."

A mulher que deu essa informação ao seu deus  tinha um rosto perfeitamente simétrico, os olhos cheios de conhecimento e óculos de  prata brilhante, que emolduravam seus traços femininos. Seu cabelo era de um azul deslumbrante com alguns tons mais claros misturados. Era como se fios de água estivessem fluindo de sua cabeça.

Ignorando os olhares dos meio-feras e dos anões que passavam, Asfi continuou seu relatório.

"... Essa não é a única razão."

"Continue."

"Muitos aventureiros acreditam que a única razão pela qual ele derrotou o Minotauro é que ele teve a sorte de lançar esse ataque mágico. Que ele é um fracote que finalizou o Minotauro que havia escapado da <Família Loki>. Alguns estão o chamando de 'Falso Novato'."

"Ha-ha-ha-ha! Falso Novato! Conseguiu um belo nome!"

A boca de Hermes se abriu enquanto ele ria.

Muitas pessoas ficaram assustadas com seu riso e o encararam. Mas Hermes estava se divertindo demais para se importar, sua ombros pulando para cima e para baixo em alegria.

"Mas ele conseguiu acertá-lo com sua magia, ele entregou o último golpe contra um monstro com o pé na cova... A bênção de um deus não é enganada por descrições baratas... Mas sim, eu entendo o que você está tentando dizer."

Hermes estreitou os seus já finos olhos assim que sua própria risada morreu.

"Acredito que essas opiniões possam ser explicadas por uma coisa: o fato de que ele subiu de nível tão rapidamente..."

"Ah sim. Os aventureiros são sempre tão duros um com os outros."

"Confirmei que Bell Cranel não é muito apreciado por outros aventureiros."

Nesse ponto, o barulho na rua ficou alto demais para a conversa continuar.

Um grupo de bardos composto por muitas raças havia montado seus instrumentos em frente a uma loja próxima e estavam dando uma apresentação ao vivo para as pessoas da cidade sob o céu azul. Eles cantaram sobre os vários lugares que visitaram, as coisas que viram com seus próprios olhos, e expressaram tudo em tons otimistas e acordes as vezes sombrios, de como sua história se desdobrou. Um grande círculo de pessoas se formou em torno dos bardos na rua. Mesmo as pessoas nos andares superiores das lojas e casas vizinhas abriram suas janelas e se inclinaram para fora para ouvi-los.

Hermes também parou para ouvir suas músicas. Quando terminaram, ele bateu palmas tão alto quanto o resto e lhes deu algumas moedas de ouro.

Os bardos viajantes não podiam acreditar em sua sorte. Esse deus sorridente não tinha apenas apreciado seu desempenho, mas também lhes deu muito dinheiro. Sua gratidão era imensurável. As pessoas na rua que testemunharam o que aconteceu, olharam para Hermes com um olhar de adoração.

Asfi fez a seu deus uma pergunta assim que eles começaram a andar novamente. "Você planeja fazer alguma coisa ao Pequeno Novato?"

Hermes podia sentir os olhos dela penetrando na parte de trás de sua cabeça enquanto eles caminhavam, mas ele ouviu enquanto ela continuava.

"Ordenando que eu colete informações sem apresentar um motivo, você deve estar muito interessado nele..."

"O que é isso, Asfi? Você está com ciúmes porque eu não estive por aqui?"

"Dificilmente!"

Asfi perdeu seu tom formal em um instante de raiva, ela rapidamente afastou sua cabeça e massageou sua testa.

Ouvir o tom provocador de seu deus trouxe a tona toda a frustração que havia se acumulado enquanto trabalhava para ele ao longo dos anos. Ela perdeu sua compostura.

O rosto que exalava uma aura de conhecimento, agora mostrava apenas o ressentimento de alguém que foi levado a perseguições sem sentido por um divindade em particular por muito tempo.

"Estou dizendo que já tive o suficiente de suas tarefas. Eu fiz tanto para que você apenas pudesse ir a qualquer momento! Pense no que passei!"

"Sou grato aos outros, e especialmente a você, Asfi. Sem você, as coisas desmoronariam bem rápido. Conto com você um pouco mais. Seus amigos e seu deus confiam em você — ha-ha! Essa é uma bela posição!"

"… Eu odeio isso."

Ela parecia que estava prestes a chorar por um breve momento. Hermes apenas sorriu para sua seguidora e bateu de brincadeira na cabeça dela. Os óculos de prata de Asfi foram arrancados pelo impacto e caíram na ponta do nariz enquanto ela olhava para o chão.

"... você já fez contato com Hestia?"

Asfi suspirou quando se recompôs e fez uma pergunta completamente diferente.

Percebendo que seu deus vagabundo não tinha intenção de revelar seus planos para ela, ela decidiu tentar uma rota diferente.

Em resposta a sua pergunta, Hermes forçou um sorriso e disse: "Não, ainda não."

"Eu preciso conversar com um certo alguém antes que eu possa fazer isso."

Antes que uma Asfi de aparência severa pudesse responder com outra pergunta, Hermes parou em frente a um certo bar.

Era um bar e café bastante grande, construído na Rua Principal Oeste. Uma grande placa acima de sua porta da frente dizia A SENHORA DA ABUNDÂNCIA, escrita em Koine, a linguagem universal.

O terraço do café estava cheio de clientes a essa hora do dia. Hermes e Asfi passaram diretamente por ela e pela entrada.

"Bem-vindo, miau!... Mew? Lorde Hermes?"

"Oh! Chloe, faz muito tempo! Desculpe, mas você poderia chamar Mia para mim?"

Hermes sorriu brilhantemente para a pessoa gata que o cumprimentou na porta.

A menina gato encarou Hermes e Asfi por um longo momento antes de dizer: "Claro, miau. Só um momento, miau!" Ela não pretendia recusar o pedido de um deus.

Chloe desapareceu no fundo do bar e nem dois segundos depois —

O chão rangeu quando o corpo maciço de uma mulher anã apareceu atrás do bar.

"O que diabos um deus quer no meio do horário do almoço?"

"Não me olhe com esses olhos azedos, Mia. Você está arruinando sua cara bonita."

"Faça mais piadas e eu vou tirar sua cabeça. Estou ocupada, entendeu? Se você tem algo a dizer, então diga logo."

Mia não estava nem um pouco intimidada pelo deus à sua frente. Na verdade, a dona do bar estava assustando Asfi o suficiente para ela sacudir suas sandálias atrás de Hermes.

A divindade por outro lado não tinha o menor medo, ele caminhou até o balcão e apoiou seus cotovelos na beirada.

"Tudo bem então, eu vou direto ao ponto — você poderia marcar uma reunião com Lady Freya para mim?"

Hermes abaixou a sua voz quando ele se inclinou sobre o balcão entre eles, o rosto dele bem na frente do de Mia.

A anã se manteve firme, fixou seus os olhos em Hermes e levantou uma sobrancelha.

O olhar penetrante da divindade era entediante.

Até que finalmente, "Humph."

"Eu não sou uma mensageira de deuses tolos. Você tem pés — se você quer tanto falar com Lady Freya, então use-os." Mia praticamente cuspiu as palavras de sua boca, rejeitando categoricamente o pedido de Hermes. "Hmph", ela suspirou com raiva e desapareceu de volta para a cozinha. Hermes observou seu corpo robusto desaparecer atrás da porta antes de virar para Asfi, forçando um sorriso como se dissesse: Isso não funcionou.

Não é problema meu, ela pareceu responder com seu olhar desinteressado.

"... Lorde Hermes?"

Hermes olhou por cima do ombro em resposta ao ouvir seu nome, sua expressão mudou em um piscar de olhos. "Hum? Oh! Se não é Syr! Faz tanto tempo! Como você esteve?"

Syr, vestida com seu uniforme de garçonete, acabara de entrar na parte principal do bar depois de voltar do intervalo.

"Sim, faz realmente muito tempo, Lorde Hermes. Fico feliz em ver que você está bem."

"Ahh, você sempre foi a pessoa com as melhores maneiras. O que você me diz, Syr, quer sair daqui e se divertir? Um encontro com você seria um bom jeito de curar o coração que Mia acabou de rasgar em pedaços. Você faria isso por mim, certo — Ei! Ow-ow-ow! Solte meu ouvido, Asfi, você vai arrancá-lo!"

Syr sorriu educadamente com a tentativa do deus de usar o que aconteceu como um pretexto para algo completamente diferente. "Vou ter que recusar" ela respondeu enquanto olhava silenciosamente Asfi punir Hermes.

Syr os guiou para um assento no bar, Hermes massageava seu ouvido ao longo do caminho.

"Por favor, sente-se aqui..."

Syr apontou para um assento à mesa, mas Hermes passou por ele e foi em direção ao balcão.

A cadeira em que Hermes se sentou era normalmente o assento que Syr reservou para Bell, seu lugar de sempre.

A garota ficou sem palavras enquanto Asfi assumiu sua posição atrás de Hermes. A divindade olhou para Syr e sorriu.

"Ei, Syr, posso lhe perguntar uma coisa?"

"Sim... o que é?"

"Se você soubesse algo sobre Bell Cranel, você diria para mim?"

Os ombros da garota estremeceram.

Todas as garçonetes ao alcance da voz fizeram contato visual, silenciosamente se comunicando no bar e café barulhento. Syr olhou o sorriso sempre encantador de Hermes e construiu um rosto amigável para esconder seus verdadeiros sentimentos.

"Por que você me faria uma pergunta assim?"

"Bem, ouvi dizer que ele gosta bastante desse bar."

Hermes deu uma rápida olhada atrás dele para Asfi antes de olhar para Syr.

"Veja bem, estou muito interessado no Pequeno Novato. O que? Não me diga você acha que eu vou fazer algo estranho com ele. Então, que tal?"

Syr novamente sorriu com educação com os avanços verbais de Hermes.

"Não há nada que eu queira lhe dizer neste momento, Lorde Hermes."

Ela nem piscou enquanto falava. Parecia que as garçonetes tinham decidido proteger o menino.

Hermes encolheu os ombros como se ele estivesse brincando. "Você não confia em mim?"

O sorriso da jovem garçonete se expandiu o máximo possível. "Não, nem um pouco."


https://lh3.googleusercontent.com/TnO8zVSGmxKqviRvrady4ziO9-xBSePmvO6W0E03XjJqZ1IpH4xv812PYZRVDk8f0Onn4u9KngUftRCon5WySTwRGIb0cua64UHQZLVXv_6sjxE8gSBJb4PdCQ-MhHWSVI9IvDKE

Por Rodrigon | 16/05/20 às 10:52 | Ação, Aventura, Fantasia, Magia, Poder, Ecchi, Shounen, Mitologia, Japonesa, Elementos de MMO