CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 83 - O Melhor Plano Até Agora

Evalon: os Seis Lendários (E6L)

Capítulo 83 - O Melhor Plano Até Agora

Autor: Tisso | Revisão: Matheus Freitas (Leia SZPS)

-- Um concurso para a mão de uma princesa? – Aquiles comentou, vendo o panfleto com calma, enquanto Edward manobrava os cavalos para o caminho de Telletü. – Isso parece tão fútil...

-- De acordo. – Edward desviou o olhar rapidamente para o panfleto.

-- É fútil, mas traz benefícios. – Klaus afirmou, os acompanhando lentamente com seu cavalo.

-- Você disse que era de um clã menor. Quer se casar com ela só para alavancar seu clã? – Varis questionou do final da carroça, vendo o céu de Evalon ficar nublado. – Acho que vai chover...

-- Eu não posso negar que eu quero apenas isso, mas acho que vocês não podem me culpar, não sou um degenerado, apenas quero ajuda política. – Klaus afirmou, desviando o olhar para o céu junto do ladino. – Realmente, vai chover.

-- Realmente, eu não posso culpar ele. – Aquiles respondeu pensativo, acompanhando os olhares de Varis. – Popularizar um clã é difícil e conseguir uma voz desse modo é realmente uma boa ideia.

-- Imagino que você seja alguém especial de seu clã para lhe enviarem sozinho. – Edward falou, averiguando novamente a armadura média de Klaus.

-- Bem, não posso negar ou deixar vago, sinto que isso é óbvio, o que posso falar é que preferiram mandar apenas um membro para evitar problemas com a inscrição.

-- Ei, Voltten, vem ver isso! – Aquiles gritou alarmado, quase puxando o mago que estava descansado próximo a suas costas.

-- Hum? O que foi? – Voltten questionou, estranhando o puxão do cavaleiro, que atiçou a curiosidade de todos que se aproximaram, com exceção de Edward, que continuava mantendo o foco na estrada, quase que vidrado.

-- “Um poder mágico incrivelmente surreal revelado a pouco tempo”. – Voltten leu calmamente, enquanto todos seus companheiros percebiam do que se tratava logo em seguida.

Todos ficaram em silêncio, até que Edward virou o rosto para Klaus intrigado.

-- Klaus, o que estava falando sobre a inscrição?

-- Hum? – Ele murmurou. – Por que esse interesse repentino?

Varis rapidamente sentiu um choque mental e correu para frente, surgindo entre Edward e Aquiles segurando o panfleto.

-- Porque aqui diz que isso vai dar uma puta grana. – O ladino rapidamente mascarou todas as intenções de resgate dos escolhidos com um motivo fútil para convencer Klaus.

-- Dinheiro? É por isso que vocês estão viajando? – Klaus questionou intrigado e extremamente surpreso.

-- Sim... – Aquiles concordou, indo inocentemente na onda do ladino.

-- Qual a finalidade de um grupo de pessoas talentosas sair em viagens apenas por dinheiro? Ou vocês têm um outro objetivo?

Edward ficou sem palavras quanto Varis e Aquiles que tentavam buscar uma resposta para enrolar Klaus.

-- Nós temos... – Edward afirmou espontaneamente enquanto sorria de forma vagamente nervosa.

-- Ah, e qual seria? – Klaus questionou pensativo e muito intrigado.

Os três ficaram em silêncio por segundos, até que a resposta surgiu na cabeça de Varis como mais uma faísca anormal, algo que o manipulou a afastá-lo.

-- Abrir um bordel. – O ladino afirmou de forma tão confiante e direta que nem deu tempo para os dois amigos o cortar, mas segundos depois de sua fala, o mesmo foi puxado por quatro braços para dentro da carroça. Matheus Freitas: Cara... O Varis é completamente doido!

Klaus encarava os dois elfos sem muita expressão, apenas virou o rosto para o caminho e os ignorou.

-- Prevejo o que vocês planejam fazer com a princesa então... – Ele murmurou vagamente enquanto se distanciava.

De forma furiosa, todos olharam para Varis que estava retido no meio da carroça.

-- Por que diabos você falou isso!? – Edward questionou, dividindo a atenção entre os cavalos e o ladino.

-- Você queria que eles soubessem sobre os escolhidos? – Varis retrucou, ajeitando a postura, ainda sobre o efeito anormal e subliminar.

-- Em parte, Varis está certo em tentar evitar qualquer forma dos outros souberem nosso objetivo... – James afirmou vagamente. – Mas você não tinha nenhuma ideia melhor?!

-- Pelo menos, isso vai afastar ele de nós. – Voltten retrucou, tentando ver o lado positivo para elevar a moral do amigo.

-- E ainda ficamos com o panfleto. – Varis afirmou, mostrando o mesmo para todos.

-- Vocês não acham que estão sendo muito otimistas? – Edward interrompeu de forma bruta. – Se encontrarmos ele novamente, vamos ter um problema, se tivermos que lutar com o mesmo no torneio, mais ainda.

-- Edward, você e Glans soltam fogo, Aquiles e Glans são dois trogloditas musculosos e eu e James temos experiência com armas o suficiente. – Varis respondeu. – Qualquer um daqui conseguiria matar ele em uma luta mano-a-mano, até mesmo Voltten se ele conseguisse lançar uma bola de fogo rapidamente.

-- Obrigado pela consideração. – Voltten comentou sem jeito. – Mas ele está certo, um mero caçador não é grande coisa se comparados com nosso time.

-- De qualquer jeito... – Edward resmungou incomodado. – O que mais esse panfleto diz?

-- Só pode uma pessoa, registrar seus equipamentos na ficha entregue, pagamento para participar... – Varis leu cada item do cartaz. – Também tem uma data de quando isso vai inspirar... temos mais uma semana e alguns dias, é o suficiente para chegar em Telletü e fazer mais algumas coisas na cidade.

-- Então temos que chegar rápido? – Aquiles questionou de forma animada.

-- Certo. – Edward afirmou, aumentando a velocidade da carroça.

-- Aliás, será que temos que dar nomes as armas? – Aquiles questionou, chamando a atenção de todos.

-- Dar nome a armas parece ser algo estúpido. – James retrucou.

-- Claro que não! – Aquiles contrapôs. – Quando forem escrever as lendas e contos sobre nós, vão dar destaque as armas que usávamos.

-- Escrever sobre nós? – Glans questionou confusamente.

-- Você tem um ego meio grande. – Varis comentou rapidamente. – Bem, como futuro líder dos Cavaleiros Negros você vai ter uma porrada de bardos cantando sobre você, mas eu prefiro ficar no anonimato... apesar do cartaz.

-- Eu já tenho o “Arder de Seus Pecados”. – Edward refletiu rapidamente. – É o suficiente.

-- Eu imaginava meu cajado como “Garra de Coruja”. – Voltten comentou, olhando para seu cajado. – Apesar de ser meio idiota.

-- “Ninho de Cobras Corrente” é algo que já tem seu nome. – Varis falou.

-- Você, James? – Aquiles questionou olhando para o arqueiro recluso.

-- Hum? – Ele murmurou. – Que foi?

-- Agora que seu arco passou de um arco de metal pra um arco de metal com uma coisa mágica estranha ele merece um nome, não?

-- Não é bem um objeto mágico, mas se isso vai te fazer calar a boca... – James rapidamente pensou em algo. – Sagittariorum.

-- Boa! – Aquiles afirmou animado. Mal sabia ele que “Sagittariorum” era apenas “tiro com arco” em latim. Voltten sabia disso, mas ignorou o fato.

-- Parando para pensar agora, como isso parece ser um torneio grande, talvez tenham pessoas que podem se equiparar a nós nele. – Varis afirmou isso pensando em voz alta. Logo todos olharam para ele com um olhar pensativo.

-- Em teoria, você está certo. – James concordou em mesmo tom pensativo.

-- Então temos que nos preparar para isso? – Aquiles questionou, pensando nas possíveis estratégias futuras.

-- Como vão ser combates um contra um eu vou me excluir da nossa gama de combate. – Voltten afirmou pensativo. – Digo, um mago não faria muito, não é?

-- Eu já digo o contrário. – James tomou foco na conversa. – Não vamos encontrar muitos usuários de magia provavelmente, mas imagine um guerreiro que mescle forças corpo-a-corpo com magia... ou pior... – O arqueiro encarou Glans vagamente receoso.

-- Hum? – O draconato murmurou confuso. – O que ser pior?

-- Se houver um combatente que seja de uma raça “especial”, ou alguém do tipo de James podemos perder facilmente por subestimá-lo... – Aquiles afirmou pensativo.

-- “Do tipo de James”. – O arqueiro questionou, se auto depreciando vagamente. – Isso só vai me obrigar a treinar ainda mais o Ajuste, suponho.

-- Não confia nas próprias habilidades? – Varis ironizou.

-- Sinceramente, eu não quero encarar um draconato impenetrável como Glans ou um homúnculo tão desenvolvido como eu. – Ele olhou vagamente para suas mãos nuas.

-- Quais as possibilidades de encontrarmos usuários de magia? – Edward questionou de forma inquieta.

-- Bem, eu diria que baixas em alguns pontos. – Voltten afirmou vagamente. – Sansa e Ortros viviam falando que usuários de magia estavam raros tanto nos Cavaleiros Negros quanto nos arredores e em Civitas e provavelmente numa grande região envolta disso.

-- Mas não podemos comparar lugares afastados com um evento que teoricamente reúne os melhores dos melhores. – James complementou pensativo. – Isso me faz pensar em como serão as classificatórias.

-- Que todos vamos passar é fato. – Aquiles retrucou confiante. – Porém, os próprios devem ter um limite de vagas. Aliás, consta isso no cartaz?

Varis reparou no cartaz uma outra vez.

-- Trinta e dois! – Varis afirmou impressionado. – Meu deus, é muita coisa.

-- Supostamente vai acontecer em períodos. – James teorizou rapidamente. – Nós primeiros turnos dezesseis vão passar, no segundo oito, depois quatro até chegar na final do um contra um definitivo.

-- Com trinta e dois competidores é de se teorizar que várias lutas vão acontecer ao mesmo tempo... – Voltten afirmou, pensando em uma estratégia.

-- Qual ideia, Voltten? – Aquiles questionou, percebendo as segundas intenções do elfo.

-- Eu vou ser quase um peso morto nessa missão, além de curá-los quando precisar eu pensei em tentar espionar supostos competidores destaque.

-- Isso seria trapaça, não? – Edward questionou incomodado.

-- Saber como seu inimigo ataca em guerra não é trapaça, é estratégia. – Aquiles comentou vagamente animado. – Provavelmente sairá uma lista de favoritos e afins quando as classificatórias ocorrerem.

-- A prioridade então é contra aqueles de raça suspeita e de usuários de magia. – James afirmou de forma conclusiva.

-- Nesse último ponto é que podemos ter mais problemas, usuários de magia que escondem o domínio vão ser perigosos. – Edward divagou receosamente. – Paladinos e clérigos de magias santas vão ser quase nulos eu chuto, vendo que Harenae não deve ser uma potência exportadora de soldados...

-- A Ceifa! – Varis gritou imediatamente, chamando a atenção de todos que rapidamente morderam o lábio de forma receosa.

-- Droga... – Aquiles afirmou socando o chão da carroça. – Ortros disse que poucos apareceram em meio as patrulhas em Cartan, mas esse maldito torneio...

-- Não me surpreenderia nada se eles simplesmente jogassem magias explosivas para sequestrar a princesa... – Voltten murmurou receoso.

-- É isso, Voltten você é um gênio! – Varis afirmou de forma esperançosa.

-- Hum? – James e Glans murmuraram curiosos ao ver o amigo histérico vagamente.

-- Antes do combate final só teremos quatro vagas, certo?

Todos olharam para James que tinha feito as estatísticas.

-- Bem, sim, por quê? – Ele respondeu pensativo.

-- Na melhor das possibilidades nós cinco vamos ao pódio, obviamente, ambos vamos desistir para que um único chegue, mas o primeiro a desistir vai ter uma margem de tempo maior para atuar por fora.

-- O que está planejando? – Aquiles e Edward questionaram, sem entender muito dos dizeres do ladino.

-- Aquiles deve saber dessa forma de combate. – Varis fez uma bola com as mãos. – Bombas.

-- Bombas?! – Todos questionaram assustados.

-- Você planeja um ataque? – James questionou intrigado.

-- Não esse tipo de bomba. São pequenos potes que contem pós e substancias fortes o suficiente para cegar e desnortear uma pessoa facilmente em uma nuvem de fumaça. – Varis explicou, ficando animado. – Eu consigo preparar elas, só preciso de tempo, quanto mais rápido chegarmos naquela cidade melhor.

-- Então seu plano é, se houver um sequestro, você vai sequestrar a princesa do sequestrador? – Edward perguntou, espantado e confuso.

-- Exatamente!

-- Por que todas as suas ideias são idiotas, mas fazem sentido? – James murmura pensativo.

-- Não podemos falar que as ideias são ruins. – Aquiles afirmou pensativo. – A Ceifa tem o mínimo de decência para não tentar atacar logo de cara e provavelmente, tentariam uma chance nesse torneio, mas como descobrimos seus pactos com Lúcifer, eu não sei afirmar.

-- Por isso eu disse, se nós cinco chegarmos no topo, eu devo desistir para me preparar para um possível plano B.

-- Consegue criar essas bombas em quantos dias? – James questionou, tentando compactuar com o plano.

-- Tem estágios para criação, embora seja teoricamente fácil. – Varis murmurou pensativo. – É certo que os materiais que constituem vão ter a venda em um país anão, mas eu precisaria de algum tempo para criar os recipientes de cerâmica.

-- Cerâmica? – Edward questionou brevemente. – Algo tão frágil.

-- A proposta é ser frágil. – Varis respondeu rapidamente.

-- Sendo um recipiente frágil, logo quando o alvo for acertado os materiais internos vão espalhar no ar. – Aquiles deduziu rapidamente. – O que planeja criar?

-- Eu posso misturar alguns pós químicos para gerar cegueira, infecção ou até mesmo ardência de pele. – O ladino comentou. – Ou se preferirem, eu posso criar uma de fragmentação.

-- Fragmentação? – Glans questionou estranhando a palavra.

-- A mais pura forma de explosão química. – James afirmou intrigado. – Pretende entupir de pólvora e pedras?

-- Se possível, pólvora real.

Voltten riu vagamente.

-- Cerca de dez vezes mais raras e fortes que pólvora normal. – O mago ironizou complementando. – Acha que consegue?

-- Eu tenho minhas formas de negociação. – Varis olhou para frente da carroça vendo os cavalos andando. – Em quantos dias chegaremos lá?

-- Hum? – Aquiles murmurou. – Acho que em um pouco menos de um dia.

-- Então temos que nos planejar...

-- Bem, Aquiles e Glans vão conferir a nova arma, Varis os materiais, talvez se anotássemos as especificações de cada um em um papel, não precisaremos comparecer necessariamente. – James pensou em voz alta, chamando a atenção de todos.

-- Acho que está meio que decidido o que cada um vai fazer então. – Vollten afirmou. – James e Edward vamos resolver esse problema dos registros.

Boa. – Aquiles olhou para a mochila cheia de armaduras élficas que carregava. – Acha que essas armaduras valem quanto?

-- Precisam de ajuda para negociar? – Varis questionou de forma cômica.

-- Não negaria.

-- Acho que os materiais e armas vão estar na área comercial, eu posso tentar ajudar nisso.

-- Essa missão parece arriscada... – Edward murmurou. – Mas pelo menos, temos um plano mais concreto do que os últimos.

-- Esse é o espirito! – Aquiles afirmou animado, elevando vagamente a confiança do grupo. – Vamos ganhar esse torneio! Matheus Freitas: E a princesa, não se esqueçam disso. Não é só título, vem o dote junto... Kkkkk


Por Matheus Freitas (Leia SZPS) | 31/12/20 às 22:34 | Ação, Aventura, Fantasia, Sobrenatural, Magia, Mitologia